Carla Gabriela Almeida Pereira – On Festival

Crianças do Mundo

Projeto individual
Categoria: poema

Dados Pessoais

Função no projeto: Autora
Nome: Carla Gabriela Almeida Pereira
Documento: CPF - 154.817.537-40
Email: carlaga.pereira@gmail.com
Telefone: (27) 99508-1817

Contato próximo 1: Carla Gabriela - (27) 99508-1817
Contato próximo 2: Creusa Almeida - (27) 33273-667

Endereço

Endereço: Rua São Mateus --- Número: 250
Bairro: Maria Ortiz --- Cidade: Vitória
Complemento:

Links enviados

Material de texto

Mãos Pálidas. Que é vida senão para outro viver? Que é viver senão para outro servir? Se na plena juventude eu adormecer, quero que me acordem antes de dormir. Quando a tempestade por fim me acolher, devo despertar para vê-lo sorrir; junto a ti às lágrimas sobreviver para amanhã poder andar sem cair Amigo, segure as minhas mãos pálidas e com carícias ternas as dê cor. Faça minhas memórias serem lúcidas. Levaremos embora toda dor e todas as sombras nela refletidas se tornarão resquícios de seu calor.

Descrição do trabalho

Este poema em específico eu escrevi quando tinha quatorze anos, escrevo desde os meus oito anos e sempre tive o desejo de publicar um livro com os meus textos. Eu tenho vários poemas, contos e livros não terminados que eu adoraria presentear ao público futuramente. "Mãos Pálidas" escrevi para um projeto de escola chamado "Projeto Revista", onde nós alunos visitamos o hospital infantil de vitória e fizemos vários projetos com as crianças. Minha professora de literatura quem me pediu para redigir um poema, pois sabia que eu era apaixonada por sonetos. Minha inspiração foi o contato que tive com as crianças do hospital.

Objetivos

Eu desejo ser capaz de compartilhar minhas ideias em forma de poema com o mundo. Espero que as pessoas possam apaixonar-se cada vez mais pela literatura e despertem o que está guardado em seu interior.

Motivação

Tendo como texto principal, o "Mãos Pálidas", meu projeto será um conjunto de poemas que abrangem reflexões sobre o momento em que vivemos, mas também uma doce recordação de nosso "eu" da infância, quando éramos inocentes, porém o desejo de ajudar não somente o mundo, mas o universo inteiro, encontrava-se ardente como fogo.

Uso do aporte financeiro

Com esse poema que envio, desejo mostrar-lhes um pouco da minha forma de escrever e adoraria publicar um livro recheado de poesias que sejam regadas pela mesma temática. Muitas já tenho no papel e as guardo comigo desde minha infância, outras permanecem ideias a serem exportadas.

Imagens anexadas

Vídeos

Outros arquivos